Morar Bem

Voltar
  • Oportunidade de negócios

    A casa própria sempre foi um dos maiores sonhos da população brasileira. O desejo de sair do aluguel, de ter um cantinho só seu ou de sua família, sempre movimentou o imaginário de milhões de pessoas. Muitas loucuras financeiras, economias, suor e trabalho já foram investidos nesse sonho. A ideia de estabilidade traz uma maior sensação de segurança quanto ao futuro, fato almejado por muitas famílias. E para muitos, esse sonho se tornou realidade nos últimos anos devido a facilidades impostas pelo Governo Federal que aceleraram o consumo de imóveis por meio de programas de financiamento, sendo o mais famoso o Programa Minha Casa, Minha Vida.
    O motivo pelo qual selecionamos o “Morar Bem” para nosso grupo de tendências promissoras foi embasado no bom desempenho que a construção civil obteve nos últimos anos, mas vai além da possibilidade da continuidade do aquecimento desse mercado (que apesar de ter registrado queda em sua atividade, em 2013, de acordo com sondagem realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), tem perspectivas de melhoria de cenário para os próximos seis meses). Aqui tratamos principalmente dos inúmeros negócios que decorrem do lar. O conceito aqui é maior do que conquistar o seu espaço; é transformar esse espaço em um refúgio. Essa é a tendência, o prazer de estar em casa, de receber, de instalar aquele bem de consumo tão sonhado, mesmo que tenha sido adquirido de forma parcelada, em doze prestações. É a união da compra ou reforma da casa à transformação em um ambiente o mais agradável possível que sua renda possa arcar.
    Vejamos os principais fatores que impulsionam essa tendência:

    • Empresas especialistas em construção verde
      Essas empresas devem atender um público cada vez mais crescente, interessados em imóveis construídos (residenciais, comerciais e públicos) com materiais que respeitam o meio ambiente.
      Estão inclusas nas construções verdes diversas soluções para contribuir com o meio ambiente e para economizar recursos naturais e, a longo prazo, dinheiro. Dentre as soluções estão: eficiência energética (desligamento automático, aproveitamento de luz natural etc.); redução do desperdício de água (descarga que economize água, telhados verdes que coletam água da chuva etc.); utilização de energia solar; reutilização de recursos, entre outros. A empresa pode também trabalhar com a adaptação de prédios antigos.
    • Empresas prestadoras de serviços especializadas em reformas
      É uma grande oportunidade tanto para empresas de construção quanto para microempreendedores individuais de toda a cadeia (pintores, marceneiros, instaladores, eletricistas), pois com o aumento do poder de compra da classe C, a reforma da casa entra na lista de desejos e aquece o mercado.
    • Design e objetos de decoração
      O segmento da decoração foi beneficiado com o bom desempenho da construção civil. E a classe B é a sua maior consumidora, responsável por 42% desse consumo. Houve um crescimento de 8% desse mercado, em 2013, com relação a 2012. (Pyxis Consumo – ferramenta de dimensionamento de mercado do Ibope Inteligência).
      Além disso, a nova classe média compõe um mercado que não pode ser ignorado. Depois do conforto garantido - com os financiamentos, a TV de plasma já está na sala e a geladeira com freezer na cozinha – a classe C investe agora na decoração. Surgem revistas, guias, blogs e até decoradores que começam a se especializar em transformar os ambientes com custo reduzido.
      O empreendedor pode investir na fabricação ou em uma loja com produtos específicos como cortinas, iluminação ou papéis de parede. Ou atender a um segmento específico como quartos de crianças.
    • Fabricação e comercialização de móveis
      Devido aos espaços reduzidos, mais e mais móveis sob medida serão necessários. Cada vez mais as pessoas querem móveis mais bonitos e estilosos. Cresce o número de consumidores que busca fazer um móvel igual ao de uma revista, fotografia etc.
      Móveis ecofriendly com estilo também são opções para os consumidores preocupados com o meio ambiente.
      Está em alta a valorização do design, mesmo em peças mais em conta. Grande parte dos consumidores não quer um objeto que dure mais de 10 anos.
      O conceito “monte você mesmo” para alguns tipos de móveis pode ter grande atrativo se aliado a bons descontos. Podem-se oferecer as duas opções. Mas atenção, nem todos os móveis devem ser incluídos, correndo o risco de gerar frustração ao cliente.
    • 1Influência da nova realidade demográfica
      A população brasileira e goiana é crescente, mas a sua organização em domicílios está sendo alterada. Dados do IBGE apontam uma realidade em que mais pessoas moram sozinhas, mais casais não têm filhos, mais casais moram em casas separadas, criando uma realidade com um menor número de pessoas em uma moradia. Esse fator reduz a densidade domiciliar afetando a forma como essas pessoas vivem e como elas organizam suas rotinas e o espaço dentro de sua residência.
    • 2Urbanização crescente e metropolização
      Vem estreitando os espaços e fazendo com que as moradias diminuam de tamanho. Além disso, a urbanização traz mais pessoas da zona rural que também precisam de lugar para morar. Acrescenta-se aqui também a interiorização do desenvolvimento, ou seja, não é só a região Metropolitana que experimentará acréscimo populacional em sua área urbana.
    • 3Aumento da renda e explosão do consumo
      A emergência da nova classe média foi responsável pela explosão do consumo. Para muitos foi concretizar o sonho da casa própria. Segundo o Data Popular, a classe média pretende adquirir, em 2014, 2,5 milhões de casa e apartamentos. E quem já comprou a casa, aos poucos passa a buscar novos objetos de consumo.
    • 4Pessoas passam mais tempo em casa
      Já mencionada anteriormente, a tendência Encasulamento (Cocooning) da Brain Reserve, também afeta essa tendência. Influenciada pelo mundo inseguro em que vivemos, um número cada vez maior de pessoas está transformando suas casas em refúgios, fazem nova decoração, utilizam-se de home theaters, DVDs, filmes pela TV por assinatura, utilizam a Internet para fazer compras, para se comunicar, enfim, trazem para casa as suas interações pessoais, lazer e até mesmo trabalho.
    • 5Importância do lar e da comunidade
      Os consumidores estão buscando mais formas de entretenimento em casa, o que tem aumentado a permanência no lar. Além disso, eles buscam uma maior conectividade com a comunidade em que estão inseridos, na qual sua vida cotidiana acontece. Apesar de horas gastas on-line, os consumidores anseiam pertencer a uma comunidade segura, tangível (Euromonitor International).
    • 6Mais pessoas trabalhando em casa
      Outro conceito relativamente novo, pelo menos no Brasil é o home office. Essa forma de trabalho tem ganhado força, principalmente nas atividades de prestação de serviços e apesar de estar vinculada a outra tendência descrita neste estudo, que foca no ambiente de trabalho (Trabalho e Qualificação), não poderíamos deixar de mencioná-la aqui, pois ela afeta a forma como uma boa parte das casas está se reorganizando. Trânsito caótico, aumento das distâncias, estresse, custos altos de manutenção de escritórios e sua estrutura e, principalmente, o avanço da tecnologia influenciam essa tendência.
    • 7Aumento do número de negócios realizados em casa
      Se as pessoas ficam mais em casa, os negócios decorrentes das facilidades de entregas, compras on-line, pedidos por telefone tem obtido bastante procura. O delivery por exemplo. Mais comum em estabelecimentos de lanches, refeições e farmácias, ele tomará cada vez mais outros negócios: materiais de construção, livros, supermercados, flores, presentes etc., mesmo aqueles negócios de menor porte. Isso sem falar na internet e o comércio on-line.
  • Você Sabia?
    Na indústria moveleira as tendências de consumo, nos mercados maduros, indicam que 50% dos consumidores compram móveis a cada 3 anos e 75% compram a cada 4-5 anos. Os consumidores estão cada vez menos dispostos a investir em móveis para a vida toda. A compra de móveis se torna uma compra por impulso, alinhada às tendências da moda. Nos mercados maduros 64% dos consumidores consideram que a entrega rápida do móvel é muito importante e mais de 60% dos consumidores preferem comprar móveis em lojas em que também possam comprar produtos para o lar (decoração etc.). Destacam-se, portanto, as lojas que oferecem soluções completas para a casa. Além disso, esses consumidores preferem os móveis modernos (47%) aos móveis clássicos (apenas 13%). (tendências, desafios e oportunidades para as micro e pequenas empresas da indústria, sebrae/sp).
    • Acrescente o conceito de sustentabilidade em suas obras. Mesmo que você não seja adepto da construção verde em todos os seus aspectos, utilizar alguns conceitos e implementar seus imóveis com algumas das práticas que gerem mais economia ao meio ambiente pode ser um diferencial para a sua empresa. Conheça melhor esse mercado e busque parcerias.
    • Um planejamento inadequado de uma obra é o fator que mais impacta a redução dos lucros das pequenas empresas de construção. Problemas durante a execução do serviço pode levar uma empresa de construção a buscar soluções para as quais não estava preparada, gerando retrabalho, aquisição de material não previsto e alteração do projeto inicial, gerando um custo não previsto em seu orçamento. E, às vezes, a dimensão do problema ou o seu grau de complexibilidade é tão grande que poderá impactar nos prazos de finalização da obra e em sua margem de lucro e causar desgastes com o cliente. O empreendedor deve evitar esses transtornos e buscar realizar um bom diagnóstico da realidade existente e das necessidades do cliente nas primeiras visitas, antes de fechar o orçamento. Algumas medidas devem ser tomadas, como realizar um plano de aquisição de materiais, levando em consideração que muitos deles podem ter seus custos alterados, dependendo da duração da obra e conhecer a capacidade de entrega do fornecedor. Outro fator importante, que deve ser observado, é a forma de armazenamento para evitar acidentes e perda de material.
  • Idéias de Negócios

    Veja aqui algumas idéias de negócios com grande potencial para Goiás, conforme o Estudo de Tendências e Oportunidades de Negócios produzido pelo Sebrae.

    Para cada idéia serão apresentados conceitos e informações relativas a processo produtivo, mercado, marketing e vendas, canais de comercialização, estrutura, localização, equipamentos, tecnologia, necessidade de pessoal, custos e capital de giro, fonte de recursos, planejamento financeiro, legislação, cursos, eventos e sites com informações de interesse do empreendedor.

    Selecione e receba em seu e-mail ou envie à um amigo as idéias de negócios que lhe interessar.

    Lembre-se, decidindo em abrir a sua empresa ou desejando expandí-la, procure o Sebrae mais próximo para lhe ajudar com seu plano de negócios e demais estratégias para o sucesso de seu empreendimento. Boa sorte!

    Decoração de Ambientes
    Móveis de Madeira de Demolição
    Serviço de Jardinagem
FECHAR
Receba nosso documento em seu e-mail
Informe os dados abaixo e clique no botão “Enviar”.